26 de fev de 2009

Casa Poluida

A sua casa está doente?

"As doenças não atingem o homem como um raio num céu azul, mas são conseqüências de erros e agressões constantes contra a natureza."
Hipócrates.



Nos últimos anos, pesquisas têm revelado que o ar em nossa casa e em nosso local de trabalho pode estar mais poluído que o ar da rua. Isto se deve à emanação de substâncias químicas que se tornam focos de doenças como alergias respiratórias, a asma, o câncer.

Atualmente, os riscos têm se tornado maiores por estarem associados a novos hábitos de consumo e de contato com agentes poluentes, tais como o Formaldeído (HCHO), um gás bactericida, que pode provocar dor de cabeça, tontura, náusea e dificuldade em respirar, além de irritar fortemente a pele, os olhos, o nariz, a ponto de causar-lhes sangramento, e a garganta. O HCHO pode ainda causar depressão e afetar geneticamente nossas células.

O Formaldeído é um perigoso poluente doméstico, inclusive por seu largo uso numa diversificada gama de produtos de uso cotidiano. À temperatura ambiente, os vapores tóxicos por ele emitidos contaminam o ar.
Este gás é muito usado em colas
, na produção de compensados e produtos plásticos.
Como conservante, está presente em papéis, espumas, carpetes, móveis, cosméticos.


Na roupa de cama e no vestuário, é usado para dar o acabamento e está presente na fumaça dos carros e dos cigarros.
Um dos maiores perigos está no quarto de dormir, onde uma mobília tratada libera continuamente Formaldeído, provocando o efeito de "câmara de gás".

Veja abaixo como o ambiente de uma casa pode tornar-se nefasto através do uso de HCHO em sua construção e decoração.

*MADEIRA: compensados usados em móveis, divisórias, pisos e paredes; vapores do HCHO são emitidos pelas resinas usadas para junção, principalmente, quando o compensado é novo; o risco torna-se maior em clima quente e úmido.
*TECIDOS E FIBRAS SINTÉTICAS: polipropileno e poliéster usados em carpetes, forros, tapeçaria, colchões. Adesivos, colas e resinas usadas em tacos, móveis, papéis de parede e vedações, durante sua aplicação e secagem.
*PLÁSTICOS: vinil para pisos, paredes, instalação elétrica, lambris e papel de parede.
*PRODUTOS DE LIMPEZA: produtos usados para limpar fornos e carpetes, produtos para higiene pessoal, além de polidores, branqueadores, desinfetantes, detergentes e aerossóis em geral.


Considerando o exposto, o que fazer para controlar a poluição doméstica?

Com certeza, a maneira mais eficaz de melhorar a qualidade do ar em nossas casas é eliminar as fontes poluentes. Para isso, devemos valorizar o uso de materiais mais saudáveis nas edificações e exigir da administração publica a aplicação e o aperfeiçoamento da legislação existente, para que seja dado tratamento adequado ao problema da qualidade do ar nos interiores.
Medidas para eliminar e controlar as fontes poluentes, reduzindo suas emissões, e para aumentar a ventilação, como manter janelas e portas abertas e instalar dispositivos de renovação e limpeza do ar, são fundamentais.

O relatório Handbook of Sustainable Building" , Ed. James&James, London, afirma que 40% dos gastos de energia são usados na construção e 40% da poluição resulta da indústria de construção. Dados de tal porte nos levam a considerar, por nossa saúde e do planeta, ser vital uma mudança em nossa cultura e em nossa atitude em prol de alternativas ecologicamente corretas de construção e decoração de nossos lares.
Como consumidores, podemos ajudar a mudar o rumo da economia, assumindo um novo modo de pensar e agir em relação a modelos ultrapassados e nocivos que vêm, cada vez mais, ameaçando nossa saúde e a sobrevivência como um todo. A isto se chama cidadania sustentável.

Fonte: Isabela Antunes Joffe - Correspondente do site Mundo Verde e Informativo na Europa.

7 de fev de 2009

Como recuperar a Planta ressecada?


É fácil recuperar plantas ressecadas


Às vezes, mesmo quem trata as planta com carinho pode se surpreender com algum vaso completamente seco, cheio de flores e folhas murchas. Geralmente isso acontece porque o solo ficou compacto e endurecido, impedindo a entrada da água. Nesse caso, é necessário tomar providências urgentes para evitar que a planta morra.




Com um garfo, tente quebrar o torrão sem danificar as raízes. Em seguida, mergulhe inteiramente o vaso num balde de água, deixando apenas as folhas para fora. Borrife a folhagem com água e mantenha o recipiente submerso até pararem de subir bolhas de ar.

Então, retire a planta do balde e deixe o excesso de água escorrer pelo furo de drenagem.

Aproveite a terra úmida e revolva mais profundamente o solo. Se der, substitua a camada superficial por um substrato novo. .Se após algumas semanas a planta tornar a ficar murcha e ressentida, o único jeito é substituir inteiramente o substrato por uma terra nova, bem solta e rica em nutrientes.

Fonte de pesquisa: Revista Casa Claudia


Plantas saudáveis dentro de casa


Plantas complementam bem qualquer ambiente e ainda proporcionam um ar agradável e envolvente. Para mantê-las sempre viçosas vocês não precisam dispor de muito tempo. É só organizar os cuidados básicos em tarefas diárias, semanais, mensais e anuais. Assim, o trabalho fica bem dividido, vocês não vão se sobrecarregar e suas plantas retribuem seu carinho, crescendo bonitas e saudáveis.


A primeira coisa a fazer é escolher espécies que cresçam bem dentro de casa e saber as necessidades de regas e adubações de cada uma. Para isso, vocês podem contar com a ajuda de floricultores em casas especializadas: algumas plantas precisam de adubações mensais, outras a cada dois meses e certas espécies dispensam adubação durante todo o inverno.


Além das adubações, vejam como proceder em cada período:

Diariamente
Reguem as plantas que estão com o solo ressecado.
Retirem flores e folhas murchas ou manchadas.

Semanalmente
Virem os vasos para as plantas receberem sol de todos os lados e não crescerem tortas.
Examinem as plantas para ver se não estão com pragas ou doenças. Se notarem alguma coisa, isolem o vaso, removam as folhas mais atacadas ou limpem com uma esponja embebida em água e sabão neutro. Depois, lavem bem.
Vejam se as plantas estão em lugar bem ventilado e iluminado. Se faltar luz, uma solução é usar uma lâmpada apropriada à venda nas lojas especializadas em jardinagem.


Mensalmente
Retirem os vasos pendentes mergulhando-os em um balde com água para encharcar bem o solo.
Limpem as folhas com um pano limpo e seco.
Pulverizem água nas folhagens.


Anualmente
Reenvasem as plantas que estão com as raízes saindo pelo furo de drenagem do vaso.
Façam as podas anuais.
Tirem novas mudas que cresceram muito, tomando conta do vaso.

Fonte de pesquisa: Revista Casa Claudia

Como combater moscas brancas


Moscas brancas


Quando jovens, são pequenos pontos brancos grudados na parte de baixo da folha. Adultas, como o próprio nome diz, viram pequenas moscas brancas.


Como atacam: aparecem primeiro na parte de baixo da folha e depois se espalham,
sugando a seiva da planta e favorecendo ataques de fungos.


Solução caseira: cultivo de plantas repelentes no jardim.


Soluções químicas:
produtos com os princípios lambda cyalothrin, D.D.V.P., malathion ou delthametrina.


Soluções naturais: Beauveria bassiana (Bovenat PM), Metarhrizium anisopliae (Metanat PM), óleo de neem (Natuneem) ou Bio Soup.

Plantas repelentes
Plante algumas destas espécies nos cantos do jardim: hortelã, urtiga, gerânio ou cravo-de-defunto.

Como acabar com caramujos

Como acabar com caramujos

São moluscos terrestres de corpo mole envolvidos por uma concha calcária. Têm em media 10 mm.

Como atacam: comem as folhas e as raízes da planta.

Soluções caseiras: isca de leite ou cerveja; barreiras de sal em volta das plantas; cascas de chuchu jogadas no chão, para atrair os bichos que podem ser catados manualmente.

Solução química: iscas com o principio ativo methaideide ou fipronil


Soluções naturais: Rotenat (extrato vegetal à base de timbó, um cipó da Amazônia) e outros produtos como Compostonat (composto a base de óleo de neem, pimenta, alho e outros).

Como preparar soluções caseiras

Isca de leite ou cerveja : molhe um pedaço de estopa numa mistura de 500 ml de leite ou cerveja e 100 ml de água. No final da tarde, deixe a estopa encharcada dentro de um saco aberto perto das plantas atacadas. A estopa atrai as pragas para dentro do saco, que depois pode ser descartado.

Dicas para a Primavera


Dicas para o início da primavera


A primavera está começando e, portanto, é importante que se tenha alguns cuidados para que a chegada desta estação seja sinônimo de beleza e exuberância em seu jardim. Para tanto, seguem abaixo, algumas dicas que poderão ajudá-lo nesta empreitada. Vamos lá?


◊ Afofe os canteiros, ou mesmo a terra dos vasos, que costumam se compactar com o decorrer do tempo. Esse procedimento é importante, na medida em que colabora para a aeração das raízes, as quais terão condições de receber mais água e nutrientes.


◊ Caso não tenha sido feita a poda de limpeza, ainda é possível fazê-la. Com uma tesoura de poda, é só cortar os galhos secos e/ou malformados de árvores e arbustos. Para os galhos mais espessos, é mais apropriado se utilizar uma serra, inclusive, uma dica importante para este caso: primeiro corte de baixo para cima, e depois, de cima pra abaixo, pois, isso evita que a madeira lasque, danificando a planta.


◊ Teoricamente, o replantio de espécies pode ser feito em qualquer época do ano. Mas, na prática, a melhor época para este trabalho, sem dúvida, é na primavera. E evite trocar uma planta de um vaso pequeno para um vaso muito grande. O ideal é mudá-la para um vaso só um pouco maior que o atual, dessa forma, a planta irá se adaptar com mais facilidade.


◊ Não é novidade, que a primavera é a estação em que se deve adubar as plantas ornamentais. É bom escolher entre o esterco de gado bem curtido, a farinha de osso e a torta de mamona. O NPK 4-14-8 é outra boa opção. E lembre-se: sempre siga a dosagem indicada pelo fabricante!! Além disso, regue depois de adubar, pois a água ajuda a diluir o produto e melhora sua incorporação ao solo.


◊ No início da primavera, as roseiras começam a florescer com mais intensidade. Nessa época os pulgões adoram atacar os novos brotos para assim, se alimentar da seiva da planta. Para prevenção, é recomendado pulverizar calda de fumo com sabão a cada 20 dias.

Fonte: paisagismo Brasil

Como adubar bonsai


Como se adubam os bonsai?


Por que se tem que adubar

Todos comemos diariamente. Os alimentos são imprescindíveis para a vida. As plantas alimentam-se dos sais nutritivos que extraem do solo. Os Bonsai, como vivem em vasos pequenos, podem chegar a consumir todos os elementos nutritivos que há na terra. Temos que ir repondo por meio de adubos os elementos que a planta consome.


Quando se tem que adubar

É preciso adubar principalmente nos momentos de forte crescimento da planta: na primavera e no fim do verão. Para evitar crescimentos desmesurados, ao contrário de outros cultivos, costumamos adubar os Bonsai mais no outono (fim do verão) do que na primavera.


Como se deve adubar

É preciso adubar a planta sem sobressaltos. É muito melhor adubar em pequenas quantidades mas freqüentemente, do que fazê-lo em excesso e de tempos em tempos. Não se deve esperar portanto que a árvore chegue a ficar fraca e amarelada para voltar a adubar.


Quais são os melhores adubos

Há dois tipos diferentes de adubos para os Bonsai: os adubos líquidos e os sólidos.


0 adubo liquido dissolve-se na água de regar ou aplica-se com a água de pulverização por cima das folhas. É rápido e limpo, não produz cheiros desagradáveis, são fáceis de aplicar.


0 adubo sólido coloca-se sobre a terra do vaso de maneira uniforme, evitando colocar ao lado do tronco das árvores. É de longa duração, não queima as plantas, melhora muito a terra dos Bonsai.


Quando não se deve adubar

Não devemos adubar no inverno nem durante os períodos de calor extremo do verão. Tal como nós, que quando adoecemos vamos ao médico, e não pretendemos curar-nos a base de comer mais, não devemos querer curar os Bonsai doentes, adubando-os. Primeiro é preciso ver qual é a causa da doença e fazer o tratamento adequado. 0 adubo virá quando a planta comece a refazer-se. Pelo mesmo motivo não devemos adubar os Bonsai recém transplantados ou que ficaram secos por um descuido.

Como arborizar a rua


Como arborizar a rua

Benefícios da arborização de ruas

Muitos pensam que o plantio de árvores em ruas é algo impensado, impensável, pois geram problemas com as fiações elétricas, queda de folhas, etc. Mas a maioria das pessoas desconhece os inúmeros benefícios que a arborização de ruas pode trazer.

Alguns benefícios do plantio de árvores em ambientes urbanos:

* valorização imobiliária – um aspecto muito importante é a valorização dos imóveis situados em ruas bem arborizadas, pois queira ou não, os compradores preferem as ruas com árvores.

* redução do sol direto – o sol forte é tomado como um dos grandes problemas da maioria das ruas brasileiras, tornando pouco cômodo o passeio em ruas, que chegam a temperaturas e desconfortos insuportáveis na ausência de árvores.

* maior conforto térmico – pode parecer que é uma afirmação precipitada, mas não é. Há uma regulação térmica das altas temperaturas. Isso se deve ao calor latente necessário para a evaporação da água da superfície das folhas. É um efeito semelhante ao do nebulizador ou do climatizador.

Onde você prefere ficar? Na sombra de uma árvore ou no sol?

* aumento da umidade relativa do ar – o ar excessivamente seco é uma das maiores causas de problemas respiratórios, além de problemas de pele. O ar seco favorece a permanência da poeira no ar, além de secar as vias respiratórias, sendo péssimo para pessoas com alergias. A evaporação da água da superfície das folhas das árvores, aumenta a umidade relativa do ar, no local onde ela se situa, o que pode ser muito benéfico.

* atenuação sonora – é um fato cuja eficácia ainda não foi medida. Mesmo assim, há de fato uma redução das ondas sonoras, causada pelas folhas das árvores.

* proteção no início de chuvas – no início das chuvas, a maior parte da água fica retida nas folhas da árvore, podendo servir de proteção. Só protege nos momentos iniciais da chuva, mas muitas vezes é o tempo de encontrarmos um abrigo seguro.

Que árvores plantar nas calçadas?

Essa é sem dúvida a questão mais importante do plantio de árvores em ambientes urbanos. A escolha deve ser baseada em alguns aspectos práticos, para que consigamos escolher uma árvore que realmente satisfaça as nossas necessidades e melhore o ambiente, sem que prejudique as calçadas e arrisque nossa residência.

Os principais aspectos a serem levados em conta estão listados a seguir:

a) tipo de raiz da planta – plantas de raízes superficiais e muito vigorosas são péssimas escolhas para o plantio em calçadas. As raízes das plantas podem arrebentar o concreto das calçadas, estourar tubulações, e até mesmo danificar a estrutura da casa. Evite ao máximo o plantio de espécies desse tipo, como o fícus ou o flamboyant.

b) resistência dos galhos da árvore – muitas vezes nos tentamos a plantar árvores de crescimento rápido, mas em geral, essas possuem galhos frágeis, que podem ser quebrados facilmente pelos ventos e chuvas, podendo ocasionar acidentes. Para evitar isso, não utilize espécies de crescimento muito rápido, como o flamboyant.

c) queda de folhas – se você não quer ter que varrer sua calçada muitas vezes, procure escolher espécies cujas folhas não caem em determinada época do ano. Dê preferência a árvores de folhas mais largas, que sejam de fácil retirada.

d) sombreamento – se você desejar um bom sombreamento da rua, utilize espécies com copa densa e ampla. Uma boa opção nesse sentido é o chapéu-de-sol.

e) obstrução de passagem – procure não utilizar espécies que possuam galhos muito baixos, ou que sejam arbustivas, pois elas normalmente não produzem sombreamento, além de atrapalharem a passagem de pedestres nas calçadas. Procure não utilizar espécies como a espirradeira, que além de inadequadas, são extremamente tóxicas.

f) clima da região – o clima da região é um fator importante. Algumas plantas de clima frio não se desenvolvem bem em climas quentes, e vice-versa. Procure se informar sobre a capacidade de adaptação da planta ao local de plantio.

g) tipo de frutos - muitas pessoas já tiveram a infelicidade de ter o vidro do carro quebrado por uma manga que caiu de um pé plantado na calçada. Além disso, há um perigo ainda maior de cair um fruto pesado e duro sobre alguém, podendo até mesmo levar a pessoa a óbito. Evite espécies como a sapucaia no plantio em calçadas.

h) toxidez - algumas plantas são muito tóxicas, além de atraentes para as crianças. Tome cuidado ao utilizar plantas que são tóxicas, já que seus efeitos podem ser desde queimaduras leves, até a cegueira ou mesmo à morte. Evite plantas como a espirradeira.

Com base nesses fatores, fica muito mais fácil escolhermos qual planta colocarmos em nossas calçadas.

6 de fev de 2009

Como usar adubos

NPK em grãos

Conheça os vários tipos de adubos


Adubar uma planta significa dar a ela todos os elementos indispensáveis para um crescimento saudável. Se a quantidade desses elementos for insuficiente ou exagerada, as plantas vão se ressentir e poderão até morrer. Então, o primeiro passo é você conhecer as necessidades gerais dos vegetais e as específicas de cada espécie que você cultiva.

Para uma planta crescer viçosa, precisa de 16 elementos. Destes, o carbono, o oxigénio e o hidrogênio são retirados do ar, e o restante do solo. Por isso, os adubos devem conter 13 elementos, que são divididos em dois grupos:

O primeiro reúne os macronutrientes, que devem ser dados às plantas com certa frequência. São eles; nitrogénio (N), fósforo (P), potássio (K), cálcio (Ca), enxofre (S) e magnésio (Mg).

No segundo grupo, aparecem os micronutrientes, que não exigem aplicações constantes, mas desempenham um papel muito importante no crescimento dos vegetais. Todos esses elementos são encontrados nos adubos orgânicos, nos minerais e nos químicos.

Os adubos orgânicos são os estercos animais, farinha de ossos, bem como elementos vegetais em

decomposição, e se caracterizam por liberar gradualmente os elementos. São de ação mais lenta mas não oferecem nenhum perigo às plantas, pelo contrário, tomam a estrutura do solo mais porosa, beneficiando a oxigenação das raízes.

Os adubos minerais são encontrados em formas mais simples (salitre do Chile, sulfato de amônia, superfosfato, etc.) ou então em misturas químicas já prontas, em pó, líquido, pastilhas ou granulados.

Os adubos químicos também são encontrados em pó, cristais, líquidos ou pastilhas, e reúnem algumas vantagens, pois agem imediatamente, recuperando plantas fracas com facilidade.

Podem ter todos os elementos bem balanceados, inclusive com fórmulas especiais para cada tipo de planta. O único problema é que devem ser aplicados rigorosamente de acordo com as instruções dos fabricantes, porque qualquer excesso pode até matar as plantas.


Mas o segredo mesmo da adubação está na aplicação. Cada planta tem um ritmo de crescimento próprio e precisa ser adubada com determinada frequência. Por exemplo; algumas plantas de rápido crescimento, como os gerânios, podem ser adubadas até uma vez por semana no período de crescimento. Já outras, como os cactos e as suculentas, não precisam mais de uma ou duas aplicações por ano.

O ideal é saber a dosagem e a frequência que cada espécie precisa, e prestar atenção aos sinais de adubação excessiva: crescimento exagerado das hastes, limo esverdeado na superfície do vaso, folhas com pontas amarronzadas.

Se você notar esses sintomas, suspenda a adubação


Adubos químicos
Os adubos ou fertilizantes químicos (minerais) geralmente são vendidos em lojas de jardinagem e até em supermercados. Na embalagem, trazem a sigla NPK, mostrando que o produto contém os elementos mais importantes para o desenvolvimento das plantas (macro nutrientes): o nitrogênio (N); o fósforo (P) e o potássio (K).

Há formulações diferentes de fertilizantes NPK, baseadas na sua finalidade. Em geral, usa-se:

NPK 4-14-8 (4 partes de nitrogênio, 14 partes de fósforo e 8 partes de potássio), para espécies que produzem flores e frutos. Ex. hibisco, azaléias, violetas, cítricos como a laranjeira, hortaliças (legumes), etc. Além disso, segundo a maioria dos fabricantes, esta formulação é ideal para ser aplicada no momento do plantio dos vegetais, no preparo do solo, pois o alto teor de fósforo proporciona uma melhor formação e desenvolvimento das raízes e estrutura das plantas.

NPK 10-10-10
(partes iguais dos 3 elementos), especial para espécies que não florescem e não produzem frutos, como as samambaias. Segundo os fabricantes, esta formulação também é ideal para ser aplicada em plantas já formadas, na forma de cobertura. Neste caso, pode ser usada em flores, folhagens, hortaliças e frutíferas. Serve para fortalecer plantas de uma maneira geral.

NPK 15-15-20 (15 partes de nitrogênio, 15 partes de fósforo e 20 partes de potássio), rica em potássio, esta formulação é considerada bem prática, pois pode ser usada também no cultivo hidropônico, sendo indicada especialmente para hortas.
Devem levar em conta a estação do ano e a espécie de planta.

Na primavera, o adubo que contém nitrogênio vai estimular a brotação, o crescimento da planta e das folhas. No outono, um adubo com mais potássio vai favorecer o desenvolvimento e fortalecimento das raízes, caule e frutos. Nas espécies floríferas e frutíferas devemos adubar com mais fósforo no início da primavera. Nas espécies frutíferas a adubação deverá ser suspensa no início da floração e retornar apenas quando o fruto estiver do tamanho de uma ervilha, já para as espécies floríferas a adubação deverá ser suspensa durante toda a floração.

Não adube as plantas quando secas, e sim aproximadamente uma hora após as regas, devendo as aplicações serem feitas preferencialmente no final da tarde, ou pela manhã bem cedo.

Não devemos adubar plantas transplantadas, é necessário aguardar pelo menos 40 dias antes de reiniciar as adubações.

Há opiniões diferentes quanto a esta questão, mas numa regra geral não devemos adubar no período mais frio do ano (inverno), quando as plantas estão em estado de dormência. E, devemos diminuir a adubação no período mais quente (verão).

Também há no mercado as fórmulas preparadas especialmente para determinadas espécies de plantas ornamentais. É o caso das violetas, orquídeas, rosas e samambaias. Neste caso, os fabricantes elaboram uma fórmula adequada às necessidades nutricionais de cada espécie.

Uma outra formulação especial já encontrada no mercado é o NPK granulado para gramados, que pode ser aplicado de uma forma bem rápida e prática, simplesmente espalhado sobre o gramado.

A freqüência de adubação varia de acordo com a espécie cultivada. Algumas precisam mais outras menos, mas, de forma geral, a adubação pode ser feita a cada dois meses. Mas lembre-se: quanto à dosagem e forma de aplicação, siga rigorosamente as indicações do fabricante, que constam na embalagem do produto.

Fique atento para as quantidades de adubo a serem aplicadas, quando a adubação é demasiadamente excessiva, além do gasto ser maior do que o desejado as plantas podem apresentar queima nas raízes, folhas e frutos, prejudicar a fertilidade da planta ou até mesmo morrer devido a este excesso, além de aumentar a salinidade do solo.

Adubos orgânicos
Também podemos encontrar os macro nutrientes (nitrogênio, fósforo e potássio) em versões orgânicas.

O nitrogênio pode ser encontrado em estercos (aves, gado, curral, etc), também na torta de mamona. O fósforo na farinha de ossos calcinada, farinha de peixe, e o potássio em cinzas de madeira, carvão vegetal e derivados da casca do côco (fibra, substrato, pó).

Os adubos orgânicos são compostos por derivados ou subprodutos agropecuários.

No caso dos orgânicos, temos um nível de segurança maior com relação a possíveis excessos, pois estes são absorvidos gradativamente pelo solo e pela planta. Os adubos orgânicos são liberados lentamente, demoram cerca de quinze dias para degradar e ficarem em condições de serem assimilados pelas plantas, mas em compensação, têm uma ação prolongada.

O adubo orgânico favorece a formação e estruturação da micro flora do substrato. A adubação orgânica pode ser feita, por exemplo, a cada dois meses. O adubo deve ser colocado ao redor da planta próximo a borda do vaso.

O adubo orgânico também pode ser encontrado em forma de pastilhas ou líquidos (mais práticos). Em todos os casos citados, devem-se seguir as instruções de uso dadas pelo fabricante.

Para se utilizar bem este tipo de informação, deve-se sempre recorrer as funções dos nutrientes. Por exemplo, uma planta que apresenta uma baixa floração, deve receber um adubo com uma porcentagem mais alta de fósforo, como a farinha de ossos calcinada. Ou uma planta com pouco crescimento, poucas folhas e amarelada, deve receber um adubo com mais nitrogênio, como a torta de mamona.

Normalmente encontramos recomendações da aplicação dos dois produtos (2 partes de torta de mamona para 1 parte de farinha de ossos) visando um fornecimento mais completo de nutrientes para as plantas.

Importante: Não misture os dois produtos(farinha de ossos e torta de mamona) juntos podem se tornar tóxicos.


É importante saber que a fertilização correta torna a planta saudável e mais resistente a pragas e doenças. Tenha isso em mente.


O que fazer com as plantas EM CADA MÊS DO ANO


Dezembro

Dezembro marca o fim da primavera e o início do verão. A luminosidade do sol se estende por mais de 12 horas. A temperatura aumenta, e como as chuvas nem sempre são freqüentes, é preciso não esquecer das regas.
Horta
Matos surgem nos canteiros da noite para o dia. Besouros, lagartas, formigas, a natureza inteira funciona a mil por hora. Se você não quiser dividir seu espaço com as ervas daninhas e pragas, tudo bem. Mas só use herbicidas e agrotóxicos em último caso.
Jardim
Entre outras, devem florescer o cravo, gladíolo, rosa, jasmin-manga, hortênsia e magnólia-amarela.
Atividades
As folhas e flores secas precisarão ser removidas, a terra dos canteiros e vasos afofada, o gramado aparado uma vez por semana e, adicionalmente, ainda receber a segunda dose de fertilizante (1/3 da dose anual de 50 gramas/ano de fertilizante NPK, de fórmula 20-18-6, por metro quadrado). Em compensação, dezembro costuma ser também o mês dos elogios, e do coroamento dos esforços de todo um ano. Boas festas pra você, e um ano novo bem florido!


Novembro

Ainda estamos na primavera, com dias mais longos e temperaturas que vão subindo gradativamente, embora, volta e meia, os termômetros caiam. Com o processo de crescimento das plantas se acelerando, o jardim começa a ganhar exuberância.
Horta
Para quem plantou e gosta, é hora de colher jiló. E não perca de vista as pragas. Nesta época elas estão em franca atividade e podem fazer grandes estragos.
Jardim
ntre outras, devem florescer o flamboyant, petúnia, amor-perfeito, agerato, clívia, jacarandá-mimoso e sálvia.
Atividades
Aproveite os fins de semana para curtir o seu jardim. Se quiser, plante, replante, prepare vasos, faça bordaduras. Se estiver com bastante disposição, aproveite para aparar as bordas do gramado. Bordas convenientemente aparadas dão a impressão de bom trato e um charme todo especial.


Outubro
Com o aumento da temperatura, você talvez precise rever o regime de regas das suas plantas. Lembre-se que, quanto maior o calor, maior a transpiração e, conseqüentemente a demanda de água por parte das plantas.
Horta
Está na hora de levar para o local definitivo, muitas das mudinhas plantadas por sementes em setembro. Antes do transplante, no entanto, prepare os canteiros adequadamente. Em outras palavras, preocupe-se em oferecer às jovens plantas uma terra bem fofa e soltinha.
Jardim
Entre outras, devem florescer a anêmona, agapanto, margarida, cinerária, antúrio, gerânio e o guapuruvu.
Atividades
As azaléias já devem ter acabado a florada. É preciso podá-las. Mas nada muito drástico. Uma poda suave, renovara as energias da planta e proporcionará floradas mais abundantes no futuro. E hora, também, de dar ao gramado 1/3 da dose anual de 50 gramas/ano de fertilizante NPK, de fórmula 20-18-6 por metro quadrado.

Setembro
Após o descanso do inverno, as plantas começam a espreguiçar-se para acordar. Um broto novo aqui, folhinhas novas acolá, e as surpresas vão se sucedendo, dia após dia. Só não esqueça de renovar os tutores e amarrilhos das plantas que exigem apoio para crescer.
Horta
É hora de fazer germinar as sementes das hortaliças. Mas observe que, se umas podem ser plantadas diretamente no canteiro, outras necessitam de sementeiras.
Jardim
Entre outras, devem florescer a campânula, esporinha, miosótis, gardênia, ipê-amarelo, grevilha arbustiva, calceolária e quaresmeira-roxa.
Atividades
Faça uma geral em todos os seus vasos e canteiros, tirando folhas e ramos secos ou doentes. Afofe a terra, e aproveite para incorporar ao solo esterco bem curtido ou composto orgânico. Uma adubação extra com farinha de osso nas plantas floríferas; vai muito bem. Esta também é uma boa época para mudar as plantas de vaso, se os atuais já se mostrarem apertados.


Agosto

Ainda é inverno, mas principalmente do meio do mês para a frente, começam a ocorrer as chamadas chuvas das brotas. O primeiro aviso que a primavera se aproxima.

Horta: comece a planejar os canteiros para a próxima temporada. Experimentar uma ou outra novidade é bastante interessante, mas não esqueça de reservar bastante espaço para as hortaliças que a família mais gosta.

Jardim: entre outras, devem florescer o manacá-da-serra, abutilon, bauínia, jasmins diversos, buquê-de-noiva, azaléias e glicínias.

Atividades: se é que ainda não foi feito, seria bom providenciar uma cobertura leve (meio a 1 centímetro de espessura) sobre o gramado, com uma mistura composta de 4 partes de terra, 3 de areia grossa e 3 de adubo orgânico. Se não conseguir adubo orgânico em quantidade, é melhor usar exclusivamente areia do que apenas terra.


Junho
Embora só possa ser percebido mais nitidamente no Brasil de Minas Gerais para baixo, este mês marca o início do inverno. É quando a maioria das plantas entra numa espécie de dormência, costumeiramente chamada de repouso vegetativo.
Horta
Com o frio, a transpiração das plantas fica reduzida e, consequentemente, torna-se menor a necessidade de regas. De qualquer forma, quando for regar a horta nesta época, prefira o início da manhã. Já nas outras épocas do ano, o melhor é regar à tarde.
Jardim
Entre outras, devem florescer a íris, eritrina, ipê-roxo, cipó-de-são-joão, orquídea-sapatinho e algumas azaléias.
Atividades
Se você mora em local sujeito a geadas, proteja as plantas, principalmente as mais jovens ou aquelas nativas de clima quente, com armações improvisadas, cobertas de vidro ou plástico transparente.

Maio

No Jardim

Semeie ainda anuais como flocos, cravina, calêndula, goivo, ervilha-de-cheiro e outras que florescem na primavera. Plante roseiras e arbustos que florescem na primavera/verão. Transplante até fim de agosto plantas que floresceram no verão e que entram em período de dormência.

Na horta e no pomar
Semeie aipo até julho, além das semeadas o ano todo. Plante frutíferas que perdem as folhas no inverno: caquizeiro, pereira, pessegueiro, figueira, etc. Colhe-se morango até julho e nêspera até outubro.

Gramados
Evite a implantação de gramados durante os meses frios. Nos já formados, aplique 200g de calcário dolomítico por m², 30 dias antes de fazer a cobertura.

Orquídeas
As plantas entram agora em dormência. Regue pouco e não replante. Aumente a exposição ao sol para cerca de 70%. Em flor, entre outras, o Paphiopedilum insigne.

Pragas
Combata pulgões, besouros, cochonilhas sem carapaça, lacerdinha, tripes e mosca-branca com pulverização de calda de fumo.

Estão em flor

Entre outras: angélica, azaléia, prímula, bico-de-papagaio, gérbera, flor-de-papagaio, flor-de-maio, paineira, primavera e a perfumada Dracaena fragans.

Abril
A presença do outono começa a se fazer marcante, onde as estações do ano são mais bem definidas. As folhas de algumas plantas começam a amarelecer ou a adquirir tons bronzeados, para cair em seguida.
Horta
Com
a redução de freqüência das chuvas, verifique se não seria o caso de estabelecer um regime de regas para as hortaliças. Aproveite e dê também uma conferida nos amarrilhos e tutores, principalmente dos pés de ervilha e tomate.
Jardim
Entre outras, devem florescer a acácia-mimosa, amor-agarradinho, brinco-de-princesa, ciclâme, cravina, petúnia e crisântemo.
Atividades
É uma boa idéia promover a divisão de touceiras do comigo-ninguém-pode e do clorofito. No caso deste último, antes de plantar os filhotes corte as folhas. Isso apressará o pegamento e o desenvolvimento da muda.



Março

Semeie ervilha-de-cheiro. Revolva e adube a terra dos canteiros que vão receber as mudas semeadas em janeiro e fevereiro quando tiverem 6 a 8 folhas permanentes. Plante agapanto a partir de mudas feitas por divisão de touceira. Plante bulbos de amarílis, gladíolos e íris.

Na horta e no pomar
Semeie brócolis de março a junho e ervilha de março a novembro, além das semeadas o ano todo. Colhe-se maracujá até junho.

Gramados
Faça uma varredura mais profunda com ancinho, retirando os restos de grama seca acumulada no pé da grama.

Orquídeas
Use de preferência fertilizantes líquidos. Adube a cada 15 dias com NPK 20 20 20. Em flor, entre outras, estão a Cattleya labiata.

Doenças
Evite o uso de produtos tóxicos. Dê preferência a fungicidas à base de cobre e de enxofre, à venda no mercado. Não obtendo resultado satisfatório, procure ajuda de profissional capacitado.

Estão em flor
Entre
outras: bela-emília, camaradinha, madressilva, paineira.

Semeie a partir de março as que florescem no inverno e na primavera
Agerato, amor-perfeito, cravina, crisântemo, ervilha-de-cheiro, esporinha, gailárdia,.goivo, margarida, nemésia, papoula, petúnia, sempre-viva, verbena, etc.

Fonte de pesquisa: Informativo Itograss

Janeiro

Trabalhos no jardim
Mantenha a terra de canteiros e vasos fofa e livre de ervas daninhas. Mantenha as sementeiras abrigadas das chuvas. Continue semeando as floríferas listadas em agosto. Reproduza por folha a Begônia rex por estaca e o brinco de -princesa. Não descuide da adubação dentro e fora de casa.

Gramados
Apare a grama regularmente, observando a altura recomendada para o tipo que você plantou.

Roseiras
Proteja plantas com enxertos do excesso de sol. Pulverize as plantas ao menor sinal de ataque de pragas e doenças, comuns em época de umidade e calor intensos.

Orquídeas
Desde setembro é possível fazer o replantio de vasos. Até o enraizamento da planta, regue o mínimo possível. Em flor, entre outras, a Cattleya forbesii.

Bulbos
Não é época de plantar; a maioria está em flor desde o fim da primavera e continuará até o começo do inverno.

Horta e pomar
A semeadura da berinjela, que começou na primavera, vai até o fim do verão. Semeie hortaliças de ano-todo, sempre ao abrigo das chuvas. Plante nêspera durante o período de chuvas. Colhe-se goiaba, figo, manga e pêssego.
Verão é tempo de: rosa, gladíolo, dália, hortênsias, alamanda, boca-de-leão, fúcsia, cássia-imperial, espirradeira, lírio-do-brejo, manacá-da-serra, entre outras.
Fonte: Informativo Verde

Como cuidar das Plantas no Verão

No verão suas plantas merecem mais cuidados

No verão, as regas e adubações devem ser mais freqüentes, principalmente para as plantas que ficam expostas ao sol. Em algumas regiões mais áridas, é necessário regá-las duas vezes por dia, sempre pela manhã e à tardinha, já com o sol baixo.


As plantas de interiores também tendem a ficar ressentidas com o ar muito seco, por isso, além das regas normais, borrife as folhagens com água na temperatura ambiente.


Nos casos mais sérios, agrupe as plantas em uma bandeja com água, sempre com cuidado para o vaso não ficar submerso. Não se esqueça de que, ficando em contato com a água, o solo do vaso vai ficar muito úmido, prejudicando as raízes das plantas. Por isso, mantenha-os apoiados em uma camada de pedregulhos. As espécies mais sensíveis e delicadas devem ser afastadas das janelas muito ensolaradas.


O verão é época propícia para o aparecimento de doenças. Para preveni-ias, remova folhas e flores murchas ou secas e ventile bem o ambiente. Se você notar alguma planta com sinais de doença ou praga, isole o vaso imediatamente, remova as partes afetadas e, se o problema persistir aplique produtos especiais para cada tipo de problema. Lembre-se de que esses produtos são tóxicos e devem ser aplicados de acordo com as instruções do fabricante.


Os vasos pendentes, além das regas normais, precisam ser imersos em água uma vez por mês, para o xaxim absorver bastante umidade. É só mergulhar o vaso em um balde com água por dois minutos.


No jardim, coloque estacas para as plantas com hastes mais delicadas, a fim de evitar que as chuvas fortes dessa época do ano danifiquem suas plantas.


Aproveitando a temporada de chuvas do verão, você pode poupar seus esforços de rega, especialmente se você planeja viajar no feriado. Essas folhas de alumínio chamam-se ReLeaf e aumentam a superfície de coleta de água de chuva, funcionando como um funil para regar o seu vasinho. Você também pode colocar várias ReLeaf em um regador para colher água da chuva para sua próxima rega, uma idéia ecologicamente consciente.

Fonte: Revista Casa Claudia