26 de fev de 2009

Casa Poluida

A sua casa está doente?

"As doenças não atingem o homem como um raio num céu azul, mas são conseqüências de erros e agressões constantes contra a natureza."
Hipócrates.



Nos últimos anos, pesquisas têm revelado que o ar em nossa casa e em nosso local de trabalho pode estar mais poluído que o ar da rua. Isto se deve à emanação de substâncias químicas que se tornam focos de doenças como alergias respiratórias, a asma, o câncer.

Atualmente, os riscos têm se tornado maiores por estarem associados a novos hábitos de consumo e de contato com agentes poluentes, tais como o Formaldeído (HCHO), um gás bactericida, que pode provocar dor de cabeça, tontura, náusea e dificuldade em respirar, além de irritar fortemente a pele, os olhos, o nariz, a ponto de causar-lhes sangramento, e a garganta. O HCHO pode ainda causar depressão e afetar geneticamente nossas células.

O Formaldeído é um perigoso poluente doméstico, inclusive por seu largo uso numa diversificada gama de produtos de uso cotidiano. À temperatura ambiente, os vapores tóxicos por ele emitidos contaminam o ar.
Este gás é muito usado em colas
, na produção de compensados e produtos plásticos.
Como conservante, está presente em papéis, espumas, carpetes, móveis, cosméticos.


Na roupa de cama e no vestuário, é usado para dar o acabamento e está presente na fumaça dos carros e dos cigarros.
Um dos maiores perigos está no quarto de dormir, onde uma mobília tratada libera continuamente Formaldeído, provocando o efeito de "câmara de gás".

Veja abaixo como o ambiente de uma casa pode tornar-se nefasto através do uso de HCHO em sua construção e decoração.

*MADEIRA: compensados usados em móveis, divisórias, pisos e paredes; vapores do HCHO são emitidos pelas resinas usadas para junção, principalmente, quando o compensado é novo; o risco torna-se maior em clima quente e úmido.
*TECIDOS E FIBRAS SINTÉTICAS: polipropileno e poliéster usados em carpetes, forros, tapeçaria, colchões. Adesivos, colas e resinas usadas em tacos, móveis, papéis de parede e vedações, durante sua aplicação e secagem.
*PLÁSTICOS: vinil para pisos, paredes, instalação elétrica, lambris e papel de parede.
*PRODUTOS DE LIMPEZA: produtos usados para limpar fornos e carpetes, produtos para higiene pessoal, além de polidores, branqueadores, desinfetantes, detergentes e aerossóis em geral.


Considerando o exposto, o que fazer para controlar a poluição doméstica?

Com certeza, a maneira mais eficaz de melhorar a qualidade do ar em nossas casas é eliminar as fontes poluentes. Para isso, devemos valorizar o uso de materiais mais saudáveis nas edificações e exigir da administração publica a aplicação e o aperfeiçoamento da legislação existente, para que seja dado tratamento adequado ao problema da qualidade do ar nos interiores.
Medidas para eliminar e controlar as fontes poluentes, reduzindo suas emissões, e para aumentar a ventilação, como manter janelas e portas abertas e instalar dispositivos de renovação e limpeza do ar, são fundamentais.

O relatório Handbook of Sustainable Building" , Ed. James&James, London, afirma que 40% dos gastos de energia são usados na construção e 40% da poluição resulta da indústria de construção. Dados de tal porte nos levam a considerar, por nossa saúde e do planeta, ser vital uma mudança em nossa cultura e em nossa atitude em prol de alternativas ecologicamente corretas de construção e decoração de nossos lares.
Como consumidores, podemos ajudar a mudar o rumo da economia, assumindo um novo modo de pensar e agir em relação a modelos ultrapassados e nocivos que vêm, cada vez mais, ameaçando nossa saúde e a sobrevivência como um todo. A isto se chama cidadania sustentável.

Fonte: Isabela Antunes Joffe - Correspondente do site Mundo Verde e Informativo na Europa.